terça-feira, 5 de março de 2013

Russos concluem a perfuração do lago Alienígena na Antártida

A água mais pura da Terra vai começar a jorrar. É que os cientistas russos conseguiram penetrar o lago subterrâneo Vostok, na Antártida, isolado do resto do planeta há pelo menos 14 milhões de anos.O trabalho de perfuração de mais de 3.600 metros de gelo teria terminado no domingo (5), segundo a agência de notícias russa Ria Novosti. Os cientistas tinham parado a perfuração na semana passada.A análise do material retirado da água, que permanece em estado líquido por causa do calor do interior do planeta e da pressão do gelo, pode oferecer pistas sobre a vida na Terra há milhões de anos e sobre condições encontradas fora do planeta, como nas luas de Júpiter.

LAGO ‘ALIENÍGENA’

Estima-se que o lago Vostok, mantido em estado líquido pela pressão e pelo calor interno da Terra, esteja isolado do resto do planeta há cerca de 14 milhões de anos. Daí o interesse por ele: sabe-se lá que criaturas podem ter sobrevivido e prosperado num ambiente tão diferente do que conhecemos na superfície. Imagina-se que o lago tenha mais semelhança com o ambiente encontrado em Europa, uma das luas de Júpiter, do que com a Terra. “É tentadora a analogia entre o Vostok e o oceano subsuperficial de Europa”, afirma Eduardo Janot Pacheco, astrônomo do IAG (Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas) da USP. Verificar o que existe vivo no Vostok é uma forma de especular sobre a possibilidade de haver vida em luas geladas como Europa. Isoladas da luz solar, as criaturas que habitam esses ambientes têm de viver dos poucos nutrientes que ali existem. Os russos têm perfurado o gelo que cobre o Vostok há muito tempo. Mas em 1998, a cem metros de onde começa a água, eles foram obrigados a interromper o trabalho. A preocupação da comunidade internacional era a de que a perfuração contaminasse o lago com microrganismos de fora, eliminando o potencial para descobertas e prejudicando o ecossistema que pode existir lá. Só em 2010, após desenvolverem um novo protocolo de segurança, os russos puderam prosseguir. Na semana passada, a equipe liderada por Valery Lukin reportou a colegas americanos, por e-mail, que estava nos 20 a 30 metros finais. O último contato entre russos e americanos aconteceu na segunda-feira. Desde então, a equipe antártica vinha se mantendo em silêncio, o que gera apreensão no resto do mundo.


O QUE PODE DAR ERRADO

Há a pequena possibilidade de que a súbita liberação da pressão do lago gere um gêiser gigante. Além disso, os cientistas correm contra o tempo: as perfurações só podem ser feitas durante o verão antártico, que está no fim. No inverno, as temperaturas inviabilizam os trabalhos. Tudo faz parte de um aprendizado que pode ser útil para explorar recantos inóspitos do Sistema Solar. “Esse é um grande ensaio técnico para perfurar capas de gelo em Europa”, diz Cassio Leandro Barbosa, astrônomo da Univap (Universidade do Vale do Paraíba), em São José dos Campos (SP). O interesse maior da pesquisa, no entanto, diz respeito à biologia e à evolução da vida. “As formas de vida que estão para ser descobertas se isolaram do mundo há 20 milhões de anos”, afirma. “De lá para cá, como evoluíram? Esses seres serão o paradigma a ser procurado em ambientes extraterrestres.”


0 comentários:

Postar um comentário

 

About

Site Info

Inteligente Online Copyright © 2009 Community is Designed by Bie Converted To Community Galleria by Cool Tricks N Tips